O SILÊNCIO DAS MULHERES AFRICANAS: MEMÓRIA E ESQUECIMENTO NO ENTERRO DA VIRGEM EM SERGIPE

Magno Francisco de Jesus SANTOS, Ane Luíse Silva Mecenas SANTOS

Resumo


No século XIX a cidade de São Cristóvão era o principal foco irradiador das festas religiosas da província de Sergipe. De janeiro a dezembro a cidade celebrava os oragos das inúmeras irmandades que se alojavam nas igrejas, evidenciando a diversidade sociocultural da localidade. Uma dessas solenidades era a procissão de Nossa senhora da Boa Morte, realizada no dia 14 de agosto por mulheres escravizadas de origem africana. Os registros sobre essa procissão são esparsos, fragmentados, mas possibilitam o entendimento da dimensão devocional na cidade e as formas de diálogo entre mulheres africanas no Império. Trata-se de vestígios documentais que revelam frestas do universo católico de uma cidade vista como decadente e das relações interprovinciais entre mulheres escravizadas unidas em torno da devoção à Dormição de Maria.


Palavras-chave


procissão, festa, memória, silêncio

Texto completo:

PDF

Referências


BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil: Contribuição a uma sociologia das interpretações de civilizações. São Paulo: Pioneira. 1989.

_____. As Américas negras: as civilizações africanas no Novo Mundo. Trad. Eduardo de Oliveira. São Paulo: DIFEL, 1974.

BECKHÄUSER, Alberto. Símbolos Litúrgicos. 15ª ed. Petrópolis: Editora Vozes. 2000.

BORGES, Célia Maia. Escravos e libertos nas Irmandades do Rosário: devoção e solidariedade em Minas Gerais – nos séculos XVIII e XIX. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2005.

BOSCHI,Caio César. Os Leigos e o Poder: irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo: Editora Ática, 1986.

COUTO, Patrícia Brandão. Festa do Rosário: iconografia e poética de um rito. Niterói: EDUFF, 2003.

COSTA, Sebastião Heber Vieira. A festa da Irmandade da Boa Morte e o ícone ortodoxo da dominação de Maria. 2. ed. Salvador: ZUK Comunicação, 2005.

CRUZ, José. “Aracaju de Outrora: a orquestra de Mestre Cula (contribuição ao estudo do folclore sergipano)”. In: Revista de Aracaju. Ano VI. n° 06. Aracaju: Prefeitura Municipal de Aracaju, 1957. p. 255-265.

CUNHA, Maria José Assunção da. Iconografia Cristã. Ouro Preto: UFOP/IAC, 1993.

DANTAS, Beatriz Góis. Vovó nagô e papai branco: usos e abusos da África no Brasil. Graal, 1988.

DEL PRIORE, Mary. Festas e Utopias no Brasil Colonial. São Paulo: Brasiliense, 1994.

DEL PRIORE, Mary. Passagens, rituais e práticas funerárias entre ancestrais africanos. In: ISAIA, Artur César (org). Orixás e Espíritos: o debate interdisciplinar na pesquisa contemporânea. Uberlândia: EDUFU, 2006.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. Da fé à dança: a procissão como síntese de manifestações artísticas (Bahia-Brasil). Simpósio Internacional A obra de Arte Total nos séculos XVII e XIX. Instituto Português do Patrimônio Arquitetônico. s/d.

FREIRE, Gilberto. Casa Grande e senzala. 46ª ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2002.

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas, Sinais: Morfologia e História. Trad. Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras. 1998.

LUCAS, Glaura. Os Sons do Rosário: o congado mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MARAVAL, José Antônio. A cultura do Barroco: análise de uma estrutura histórica. Trad. Silvana Garcia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1997.

MARTINS, José de Souza. A morte e os mortos na sociedade brasileira. São Paulo: Editora Hucite. 1983

MEGALE, Nilza Botelho. Invocações da Virgem Maria no Brasil. 5ª ed. Petrópolis: Editora Vozes. 1998.

NUNES, Verônica Maria Meneses. Glossário de termos sobre religiosidade. Aracaju, 2004. Inédito.

ORO, Ari Pedro. Religiões afro-brasileiras: religiões multiétnicas. In: FONSECA, Cláudia. Fronteira da Cultura – horizontes e territórios da antropologia na América Latina. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, s/ano. P.78-91.

PELIKAN, Jaroslav. Maria através dos séculos: seu papel na História Cultural. Trad. Vera Camargo Guarnieri. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fórum: Revista de Educação, Ciência e Cultura. Número 01 Volume 01, 2013.